Empresas brasileiras com mulheres no time executivo têm probabilidade 50% maior de apresentar melhor desempenho em rentabilidade.

É o que mostra nossa pesquisa inédita, “Diversity Matters”, realizada com mais de 700 empresas em seis países da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Panamá e Peru), sendo quase 300 delas no Brasil.

O estudo aponta que 64% das empresas de capital aberto com mulheres em cargos executivos apresentam EBIT acima da mediana, contra 43% do total de empresas sem mulheres.

Além disso, a pesquisa identificou que entre 2014 e 2017, 57% das empresas com mulheres no time executivo apresentaram crescimento da receita acima da mediana, contra 47% em empresas sem mulheres.

Isso significa que ter mulheres nas equipes de trabalho pode aumentar em 22% a probabilidade das empresas apresentarem rápido crescimento.

Contudo, os benefícios da diversidade ainda não estão sendo reconhecidos pelas empresas brasileiras. Ainda observamos uma grande disparidade de salários e a falta de mulheres em cargos mais altos.

Atualmente, as mulheres representam 45,6% da força de trabalho no Brasil e ganham, em média, 20,5% menos que os homens, conforme dados da International Labor Organization.

Já a quantidade de mulheres em cargos executivos regrediu nos últimos anos. Quando se olham apenas companhias de capital aberto, apenas 32% têm pelo menos uma mulher em cargos executivos. Em 2011, eram 38%.

Por outro lado, há uma tendência mais positiva nos cargos de diretoria: elas representam 40% da diretoria dessas empresas, contra 36% em 2011.

O impacto de ter um ‘fair share’ de mulheres no quadro de funcionários já foi comprovado. Alcançar a equidade de gênero poderia gerar um impacto de US$ 1,1 trilhão no PIB da América Latina entre 2015 e 2025, conforme um estudo do McKinsey Global Institute. Mas estamos desacelerando esse processo.

Não existe mágica para o PIB crescer significativamente e com consistência, mas é indiscutível que a maior inclusão de mulheres, especialmente em posições de liderança, contribui expressivamente para o aumento da força de trabalho e fomenta a produtividade – elementos-chave para nossa economia.

O problema já foi identificado, a solução já é sabida e a oportunidade está dada.

Tracy Francis é sócia sênior da McKinsey e Líder de B2C na América Latina. Paula Castilho é sócia da McKinsey no Brasil.

Deixe um comentário

Informativo

Cadastre-se para receber por e-mail avisos de novas publicações.

FBC Consultoria Empresarial © 2020 Todos os direitos reservados. Desenvolvimento pela Loup Brasil.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.